Mar 20

Primeiro dia de Outono e Domingo de Ramos

Na madrugada desse domingo, começou o Outono.Gosto do outono porque as temperaturas são mais agradáveis. Porém, tem o seu lado o ruim, como a temperatura é mais fresca, para pegar uma gripe ou uma alergia,é bem mais fácil.Mas tudo compensa, pelos dias lindos e mais confortáveis! Multiplica a disposição e tudo parece ficar mais bonito !


E por sinal hoje foi o Domingo de Ramos, onde nos lembra a chegada de Jesus em Jerusalém, e seu Sermão no Monte das Oliveiras .

A benção dos Ramos, é linda ! E, podemos assistir essa celebração maravilhosa, no vídeo abaixo.Foi hoje ,o Domingo de Ramos da Paixão do Senhor na Catedral de Maringá, Paraná Brasil.

Leitura do Texto Bíblico: Lc 19,28-40

A vida de Jesus é uma grande subida a Jerusalém; e nesta subida, segundo os relatos evangélicos, Ele desconcertou a todos. Evidentemente, desconcertou as pessoas mais piedosas e observantes da religião judaica: fariseus, escribas, sacerdotes, anciãos… Não só Jesus foi a pessoa mais desconcertante de toda a história, mas nele aconteceu algo também desconcertante. Ele desencadeou na história da humanidade um “modo de viver” que quebrou toda estrutura petrificada, sobretudo religiosa, constituindo um “movimento” ousado que colocava o ser humano no centro. Um movimento alternativo às instituições romanas e à organização sacerdotal do judaísmo; um movimento “marginal” que dava prioridade aos pobres, aos deslocados, aos doentes e excluídos, aos perdedores… e que não tem nada a ver com uma organização fundada no poder, no prestígio, na riqueza…

Este movimento, desencadeado na Galiléia, chega agora às portas da “cidade santa” , Jerusalém. Aquele homem que movia multidões por todo o país, por sua pregação e milagres, não é um revolucionário violento. E, no entanto, nem por isso deixa de ser inquietante, transgressor e perigoso.
Jesus foi assim e assim Ele viveu; todo o resto lhe sobrava (leis, culto, templo, estrutura religiosa…).

Texto Fonte:
Bíblia Novo Testamento – Paulinas: Lc 19,28-40

Mar 20

Canção de Outono

folhas.secas1

Quando chega o Outono, as folhas verdes já estão amarelando e a natureza vai se transformando nas cores. O verde de tantos tons, claros e escuros das matas e árvores, vão amarelando e caindo ao chão . E o vento vai levando, e misturando com o solo todas em cores da terra, em ficam assim amareladas, em vários nuances marrons e tons de ocre . Bem vindo Outono ! Estamos de braços abertos para te dar boas vindas.

CANÇÃO DE OUTONO

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.
De que serviu tecer flores
pelas areias do chão,
se havia gente dormindo
sobre o própro coração?
E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando áqueles
que não se levantarão…
Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
– a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão…
Cecília Meireles

ceciliameireles

Poetisa , pintora, professora e jornalista brasileira.Seu nome completo, Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, em 7 de novembro de 1901, filha dos açorianos, Carlos Alberto de Carvalho Meireles, um funcionário de banco e Matilde Benevides Meireles, uma professora. Cecília Meireles foi filha órfã criada por sua avó açoriana, D. Jacinta Garcia Benevides, natural da ilha de São Miguel. Aos nove anos, ela começou a escrever poesia. Frequentou a Escola Normal no Rio de Janeiro, entre os anos de 1913 e 1916 e estudou línguas, literatura, música, folclore e teoria educacional. E faleceu no Rio de Janeiro, 9 de novembro de 1964.

Apr 24

Pensamentos e frases

cafe.av.casa 007

Ás vezes, somos surpreendidos e ficamos sem palavras.Aqui vamos poder fazer uma reflexão e emprestar textos verdadeiros, para nos acompanhar e nos alegrar o dia a dia.