Oct 13

Nossa Senhora Aparecida, Círio de Nazaré e Dia da Criança

Ontem dia 12 de Outubro, comemoramos o dia da Padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida, foram muitas celebrações e lindos momentos de fé. A hora da Consagração à Mãe Nossa Senhora Aparecida é única e pessoal.Sinta agora essa emoção.



Oração Nossa Senhora Aparecida
Oração para todos os dias

Ó incomparável mãe Nossa Senhora da Conceição Aparecida,
Mãe de Deus, Rainha dos Anjos, Advogada dos pecadores,
Refúgio e consolação dos aflitos e atribulados…
Nossa Senhora Aparecida,
cheia de poder e de bondade,
lançai sobre nós um olhar favorável,
para que sejamos socorridos por Vós,
em todas as necessidades em que nos acharmos.
E de modo particular hoje, nesta novena, faço meu pedido

(diga agora sua intenção)

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil
Livrai-nos de tudo o que possa ofender-Vos
e ao Vosso Santíssimo Filho Jesus.
Nossa Senhora Aparecida, preservai-nos de todos os perigos da alma e do corpo,
Dirigi-nos em todos os assuntos espirituais e temporais,
Livrai-nos da tentação do demônio,
Para que, trilhando o caminho da virtude,
Possamos um dia ver-Vos e amar-Vos
na eterna glória.
Nossa Senhora Aparecida rogai por nós.
Nossa Senhora Aparecida intercedei por nós.
Nossa Senhora Aparecida fazei-nos dignos das promessas do Teu Filho.
Amém.
n.sra.círiodenazare
Círio de Nazaré
Círio de Nossa Senhora de Nazaré, uma demonstração vibrante de fé, amor e devoção à Nossa Senhora de Nazaré.

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DE NAZARÉ

Ó Virgem de Nazaré,
eu recorro a vós
pedindo amparo e proteção.
Vós que sois a Mãe da Misericórdia,
a consoladora dos aflitos
o refúgio e amparo dos pecadores,
sede minha força em toda a minha vida.
Alcançai-me, Senhora de Nazaré,
a graça que humildemente vos peço,
pois, em vosso coração cheio de ternura
eu coloquei toda minha confiança.
Ao vosso coração, que experimentou a dor,
entrego minhas dores e sofrimentos,
as dores e sofrimentos da humanidade.
Olha , Mãe de Nazaré, por todas as pessoas:
meus familiares e amigos,
minha comunidade e meu país.
A todos protege e acompanhe.
Sede também, ó Mãe de bondade,
conforto e amparo de todos os atribulados,
dos pobres e doentes,
dos sem trabalho e famintos,
das crianças que sofrem,
e não vos esqueçais dos pecadores.
A todos fazei sentir que sois Mãe.
Amém!

anjodaguarda.

Oração da Criança

Jesus, eu gosto de ti,
muito obrigado pela vida que me destes.
Muito obrigado pelo papai e pela mamãe
e por todas as pessoas,
que colocastes bem perto de mim.
Jesus, eu estou a crescer não só por fora,
e ter um corpo bonito e forte,
mas ajuda-me a crescer também por dentro,
para ter um coração cheio de bondade.
Jesus, eu gosto de ti,
de todo meu coração,
e vou sempre gostar de todos,
assim como tu gostas de mim.

Amém

May 30

Cuidados para uma gravidez sadia

Estresse na gravidez pode afetar bebê
O estresse durante os primeiros meses de gravidez pode afetar o desenvolvimento do bebê, revela uma pesquisa apresentada no último domingo em um congresso das Sociedades Acadêmicas Pediátricas. O estudo mostra que os filhos de mães que se estressaram no primeiro trimestre de gestação têm menor nível de ferro no sangue.
O ferro é importante para o desenvolvimento de vários órgãos, principalmente do cérebro. Problemas como a diabetes gestacional, o fumo durante a gravidez e o nascimento prematuro estão entre as principais causas da baixa de ferro no sangue dos bebês.
O acréscimo do estresse a esta lista foi sugerido por um estudo israelense. A equipe de Rinat Armony-Sivan, da Faculdade Acadêmica de Ashkelon, fez as medições com mulheres que passaram por uma situação de alto estresse. Ashkelon fica perto da fronteira com a Faixa de Gaza, e as mulheres que participaram da pesquisa viviam em uma área que sofreu mais de 600 ataques com foguetes.
Os médicos excluíram todos os demais fatores que pudessem baixar a quantidade de ferro no sangue e compararam estas mulheres a um grupo controle. Os filhos destas 63 mães estressadas tinham menor quantidade de ferro do que os outros 77 bebês que participaram da análise.
Os autores da pesquisa sugerem, então, que as mulheres controlem o nível de estresse para evitar problemas aos bebês. Se isso não for possível, é importante monitorar a saúde da criança com exames de sangue e, em caso de deficiência de ferro, tratar o problema desde cedo.
Escrito por Cláudia Collucci

gravida

Cuidar, alimentar, educar e ainda deixá-los entretidos são apenas algumas das responsabilidades de uma mãe, mas as tarefas vão muito além disso. Muitos questionamentos surgem e elas ficam um pouco perdidas no que devem ou não fazer para seus filhos, desde atitudes mais simples até as que precisam de uma explicação mais detalhada.

São diversos os motivos pelos quais se torna uma mãe solteira ou opta por essa situação. O ideal é analisar o próprio caso e avaliar o que é melhor para o seu filho. Pensar em como ele lidará com a ausência da figura paterna é importantíssimo para que ele não tenha problemas psicológicos no futuro.

Cada caso é um caso, mas é muito importante que a criança mantenha o contato com o pai. Se não for possível, ela precisa saber o porquê de o pai não estar presente. É essencial deixar claro que ele não está ali por outros motivos, mas que a ama acima de tudo. Além disso, o pai não deve ser pressionado caso não queira visitar o filho, pois não deve ser uma obrigação, mas um ato “opcional”. Mesmo sem estar convivendo com a figura paterna, a criança buscará uma referência masculina para se espelhar.

Não se deve transmitir à criança a frustração de o relacionamento não ter dado certo para que ela não sofra com um desequilíbrio emocional no futuro. Manter um ambiente calmo, sem stress e brigas, contribui para que a criança não se envolva em desentendimentos com os amigos ou familiares.

A educação dos filhos é muito importante e vem de casa. Mesmo sozinha, é essencial ensinar à criança as regras da vida e os limites que ela não deve ultrapassar. Explicar os por quês a ajudará a entender melhor como tudo funciona.

Na hora de trazer um novo alguém para casa é preciso ter muito cuidado. Vale conversar com o seu filho para ver se ele entende a situação, mas principalmente deve-se respeitar o espaço do lar. É imprescindível que essa pessoa aceite o seu filho, pois agora você não é apenas a fulana, você é MÃE.

Fonte: Bolsa de mulher

A Responsabilidades de ser mãe

1.0 – INTRODUÇÃO

Ser mãe é o sonho de quase todas as mulheres. Mas a concepção de um filho representa uma grande mudança na vida de um casal. Ele deverá estar preparado, pois muitos dos seus hábitos terão que ser modificados em função da chegada do bebê.

O amor que os une será compartilhado com um novo ser que, a princípio, na dependência total dos pais, necessitará de muita atenção, carinho e cuidados. Por isso, o ideal é que o filho encontre o lar estruturado, onde os pais já tenham desenvolvido seus projetos pessoais, e que sua chegada venha complementar a vida do casal. Mas nem sempre isso é possível. As condições sócio-culturais no nosso país facilitam a gravidez sem planejamento.

O relacionamento entre pais e filhos é um valioso instrumento para desenvolver a capacidade de doação que existe no ser humano. A presença da criança no lar é uma fonte rica de alegrias. Seu sorriso nos enternece, trazendo à tona a sensibilidade de nossas almas.

A Doutrina Espírita ensina o princípio da reencarnação, mostrando que a alma de nossos filhos não é criada no momento da concepção, como normalmente se pensa. Ao contrário, as pessoas são Espíritos imortais, momentaneamente encarnadas, que já viveram muitas vidas e que viverão outras tantas no caminho da perfeição. Nossos filhos, pois, essas doces e angelicais criaturas que nos encantam, possuem histórias vividas no passado. Trazem consigo suas boas e más inclinações e cabe-nos a responsabilidade de reeducá-las, conduzindo-as no caminho do bem.

1.1 – GRAVIDEZ INESPERADA

Nem todos os casos de gravidez ocorrem dentro das expectativas humanas desejadas. A própria dinâmica da vida terrena nos dias de hoje tem facilitado a gravidez inesperada. Ela pode acontecer junto a jovens solteiras e casais que ainda não haviam planejado a vinda do bebê. Nessas circunstâncias, a gravidez pode trazer um período de desequilíbrio à família, principalmente nos casos em que a futura mamãe for solteira. No entanto, a criança que está sendo preparada para vir ao mundo não pode ser penalizada pelos atos impensados ou pelo descuido dos adultos.

Obviamente, tudo deverá ser feito no sentido de amenizar as dificuldades, de modo que a mulher grávida possa ter a tranquilidade necessária durante a gestação. O tempo se encarregará de solucionar os transtornos iniciais. Com o nascimento do filho, tudo voltará ao normal e a alegria envolverá a todos.

imagesCAG1TNZX

1.2 – OS DIREITOS DA CRIANÇA

– Ser respeitada por todos;
– Ser amada pelos pais, irmãos, parentes e amigos;
– Frequentar a escola e receber atenção dos professores;
– Ser bem tratada recebendo alimentos e roupas;
– Receber assistência médica;
– Ser feliz.

Podemos facilitar a aquisição desses direitos à criança, avaliando os seguintes aspectos na influência de seu processo educativo:

a) O Amor

b) A condição de vida

c) A educação

O amor: os cuidados na orientação, formação física e emocional da criança são um grande testemunho de amor. Como devemos educar os nossos filhos? Esta é a preocupação da maioria dos pais. O melhor método para ensinar é o exemplo. Não adianta falarmos de um jeito e agirmos de outro. A criança observa todos os nossos atos e nos imitará na maioria deles. O diálogo é um bom recurso na educação, fornece os elementos que ensinam a criança a pensar, levando-a a agir de maneira coerente.

A criança, quando é amada e orientada, crescerá consciente da responsabilidade que possui diante da vida e tudo fará para contribuir com a sociedade, empenhando-se na construção de um futuro melhor.

A religião é a bússola que deve ajudar nossos filhos a caminhar neste mundo tão conturbado. Quando estamos distanciados das coisas do Espírito, acabamos por nos envolver de maneira indevida com as preocupações materiais, valorizando-as excessivamente, prejudicando a experiência reencarnatória.

Devemos ensinar à criança o amor a Deus e à pátria; valorizar os laços da família e levá-la a compreender e aceitar com naturalidade sua encarnação no berço que a recebeu. Devemos ajudá-la a amar o trabalho e a buscar melhoria através do esforço pessoal.

O orgulho e a inveja, se despertados no coração da criança, serão uma fonte de desequilíbrio, tornando-as criaturas revoltadas com a sociedade e sofridas diante de Deus. O Espírito aprende a amar sendo amado e a ser justo vendo o bom exemplo dos que o orientam e educam.

Observemos algumas regras de orientação:

1 – Corrigir a criança no momento certo, usando o diálogo como instrumento de educação;

2 – Evitar intimidar a criança com a figura do pai, usando frases como “quando o seu pai chegar, você vai ver” etc. Tal atitude só servirá para colocar temor nas crianças e desrespeito pela imagem paterna;

3 – Tirar a criança de uma peraltice, estimulando-a com um outro tipo de brincadeira. Nunca usar reprimendas físicas nestes momentos, mas aproveitar a oportunidade para ensinar;

4 – Saber que existem algumas fases de comportamento crítico, que fazem parte do próprio desenvolvimento da criança e que passam com o tempo.

A condição de vida: para se ter uma boa saúde é preciso contarmos com uma boa alimentação. As crianças, no entanto, precisam mais de alimentos do que os adultos, pois estão em fase de crescimento. Uma boa alimentação começa na escolha da comida, exigindo cuidados e higiene no seu preparo. Todos os alimentos precisam ser preparados de forma adequada para serem consumidos. Eles deverão conter vitaminas, proteínas e sais minerais suficientes para o bom desenvolvimento físico e mental do organismo. Nos bebês até 6 meses, o leite materno exclusivo será suficiente para a alimentação. A partir dessa idade, deverá ser introduzida a alimentação pastosa, feita com legumes e frutas. Nas primeiras refeições do bebê, procure seguir as orientações do pediatra.

No acompanhamento da criança, outros fatores deverão ser observados com cuidado, de modo a garantir o desenvolvimento saudável do corpo e da mente. Citaremos abaixo alguns exemplos:

1) Manter a saúde bucal: a criança deverá ser ensinada a escovar os dentes após as refeições e visitar o dentista periodicamente. Os dentes devem estar em boas condições para efetuar sua função mastigatória;

2) Mastigar bem os alimentos: os dentes possuem a função de cortar e triturar o alimento, preparando-o para que o estômago não sofra sobrecarga na sua função digestiva. Nossos filhos precisam compreender esses mecanismos para que a mastigação adequada seja para eles um processo natural.

3) Beber água filtrada ou fervida: a água pode conter impurezas e micróbios que provocam doenças. Por isto, ela deve ser fervida ou filtrada para matar ou eliminar microrganismos responsáveis pelos quadros de diarréia e vômitos, que levam muitas vezes a desidratações.

4) Lavar os alimentos: as frutas e verduras precisam ser bem lavadas e as carnes bem cozidas. Tudo deverá ser feito para proteger os alimentos contra as moscas, a poeira e larvas de insetos, evitando a contaminação e o consequente aparecimento das doenças que impedem o desenvolvimento normal da criança.

Para a complementação destes itens são necessários alguns cuidados básicos com o corpo, tais como:

a) Tomar banho diariamente: o saudável hábito de tomar banho diariamente conduz a um estado de bem estar, mantendo os poros da pele livres de poeiras, suores e bactérias, facilitando sua melhor oxigenação.

b) Cortar cabelos e unhas: as unhas e cabelos devem ser cortados regularmente. Unhas compridas acumulam sujeiras e bactérias, facilitando a auto contaminação. Cabelos compridos e mal cuidados contribuem para uma má aparência e oferecem morada a piolhos e fungos.

c) Usar calçados: os ancilóstomos causam a doença conhecida popularmente como “amarelão”. Estes vermes podem entrar no organismo quando a criança anda descalça sobre a terra. Quando a criança adquire o “amarelão”, ela apresenta-se fraca, pálida e sonolenta.

d) Lavar as mãos antes das refeições: nossos filhos devem ser educados para lavar as mãos antes de qualquer refeição e após usar o banheiro. Esses cuidados servem para evitar a contaminação de verminoses, muito comuns em quase todas as regiões do país.

A educação: a responsabilidade na formação física, moral e intelectual da criança está nas mãos da família e da escola.

Na família, as noções religiosas fundamentadas no cristianismo, o bom exemplo diante da vida e o equilíbrio do lar são fatores que constituem a base da boa educação. O período infantil, em sua primeira fase, que vai do zero aos 7 anos de idade, é o mais propício à assimilação dos princípios educativos.

Até os sete anos, o Espírito ainda se encontra em fase de adaptação para a nova existência a ser vivenciada no mundo. Nessa idade, ainda não existe uma integração perfeita entre ele e a matéria orgânica. Suas recordações do plano espiritual são, por isso, mais vivas, tornando-se mais suscetível de renovar o caráter e estabelecer um novo caminho na sua trajetória evolutiva. Para isso, precisa encontrar em seus pais, verdadeiros representantes da instituição familiar.

O papel da religião é o de ensinar as leis que regem a vida, nutrindo o coração infantil com a crença, com a bondade, com a esperança e com a fé em Deus.

Esses ensinamentos evitarão a revolta da criança junto à sociedade, desviando-a do mundo do crime, das drogas e do erro, fatos que levam à destruição da abençoada oportunidade evolutiva, concedida pelo Criador. As dificuldades comuns à existência de todos nós precisam ser vencidas pela criança com esforço próprio, dedicação e boa vontade. Só assim se cresce diante dos homens e de Deus.

A escola é o segundo lar. Nela, a criatura deve receber as bases do sentimento, do caráter e da cidadania. O aprendizado escolar deixará a criança preparada para enfrentar a vida, oferecendo-lhe oportunidade para o crescimento intelectual e material. Com o relacionamento entre os amigos aprenderá a viver em comunidade. Nela, o Espírito aprenderá a compartilhar suas coisas com o próximo, sociabilizando-se. Os estabelecimentos de ensino podem instruir, mas cabe ao lar o papel principal de edificar o homem

1.3 – FORMAÇÃO MORAL DA CRIANÇA

A oração e o amor a Deus: a prece é a elevação dos padrões mentais vibratórios. Liga o Espírito encarnado às fontes eternas do Bem. A oração tem o poder de ajudar as criaturas a equilibrarem-se em períodos de transtornos. É um hábito que deve ser condicionado desde a infância.

Amar a Deus sobre todas as coisas é o maior mandamento da Lei. A confiança em Deus ajudará a criança nos momentos difíceis, livrando-a da revolta.

O respeito aos mais velhos: honrar pai e mãe é também um dos mandamentos de Deus. Respeitar os mais velhos é um atitude que faz parte da boa educação. Eles possuem a experiência de muitos anos; um patrimônio que deve ser respeitado e aproveitado pelos mais jovens.

O respeito ao próximo: nos países subdesenvolvidos, é comum confundir-se o estado de direito com o desrespeito ao próximo. No Brasil, a educação social ainda é muito deficitária. Por este motivo, os pais devem esforçar-se por ensinar as crianças a respeitar os direitos e a propriedade alheia. Mostrar-lhes que a vida em sociedade compreende direitos e deveres e que os nossos direitos terminam quando começam os do nosso próximo.

Abolir hábitos grosseiros: nos países mais civilizados há intensa campanha na tentativa de se abolir os costumes grosseiros da conduta social. Podemos considerar hábitos nocivos à vida individual e coletiva o uso do cigarro, das bebidas alcoólicas, das drogas, de palavrões e gírias chulas. Todo pai consciente tem o dever de alertar a criança quanto ao prejuízo que esses vícios causam à saúde física e mental, constituindo-se em obstáculos à realização pessoal e à felicidade das pessoas.

Respeitar as coisas públicas: o vandalismo é um dos hábitos mais nocivos à vida social, comum em nosso tempo. Quando se destrói um bem público, está se destruindo o que é de todos. Os vândalos se formam no período de infância. Pais e professores precisam desenvolver grande esforço para ensinar aos jovens o respeito às coisas públicas e o amor à sua pátria. As praças públicas, as ruas, calçadas e telefones públicos são bens que proporcionam comodidade e lazer a todos. Ninguém tem o direito de destrui-los em nome de falsas liberdades.

Lembrete: pais, evitem discussões e brigas na presença de seus filhos. Isto fará com que eles percam o respeito moral que naturalmente possuem por vocês. É importante lembrar que, muito mais do que nas palavras, o ensinamento deve ser pautado no bom exemplo.

1.4 – DEVERES DA CRIANÇA

a) – Amar a Deus e procurar obedecer suas leis morais;

b) – Amar e respeitar seus pais, irmãos, parentes e amigos;

c) – Amar a pátria onde vive e respeitar suas leis civis;

d) – Frequentar a escola e estudar para um dia ser útil aos outros;

e) – Conservar as suas coisas pessoais.

Fonte : Panorama Espirita